Arquivo da tag: vereda tropical

Morreu na madrugada de ontem aos 73 anos a atriz Geórgia Gomide, um dos rostos mais conhecidos da novelas brasileiras. Geórgia estava internada desde a semana passada e faleceu vítima de uma infecção generalizada. Ao longo de sua extensa carreira, ela participou de mais de quarenta novelas (sem contar uma dezena de filmes e peças de teatro).

Nos anos 80, Geórgia ficou famosa interpretando a dona da cantina italiana Bina na novela “Vereda Tropical” (1984). Também marcou época em 1986 como a malvada Donana em “Hipertensão”. Outros papeis de destaque da atriz foram nas novelas “Olho por Olho” (1988) e “Mico Preto” (1990), além da cultuada minisérie “Anos Rebeldes” (1992).

Morreu nesta quarta-feira o ator John Herbert, um dos mais queridos das telenovelas brasileiras. O ator, de 81 anos, sofria de enfisema pulmonar e estava internado já há um bom tempo. Com seu jeito meio desengonçado e muito carisma, John teve uma carreira de incrível sucesso – iniciada ainda na década de 50.

Só nas décadas de 80 e 90, John participou de novelas de muito sucesso como “Plumas e Paetês”, “Vereda Tropical”, “Que Rei Sou Eu?”, “O Dono do Mundo”, “Perigosas Peruas”, “A Viagem”, e muitas outras, além das séries “Casal 80″, “Anos Dourados” e “Chiquinha Gonzaga” e mais de 50 filmes. Com certeza vai deixar saudade.

Se estivesse vivo, o saudoso ator Lauro Corona completaria hoje 53 anos. Lauro foi um dos grandes galãs das novelas da Globo no início dos anos 80, um daqueles que faziam as garotas colarem os olhinhos na telas cada vez que ele aparecia. Além disso, era um dos talentos mais promissores do canal.

Sua primeira novela foi a clássica “Dancin’ Days” (1978) e a partir daí ele estrelou vários outros grandes sucessos da emissora, como “Baila Comigo” (1981), “Elas por Elas” (1982), “Louco Amor” (1983), “Vereda Tropical” (1984), “Corpo a Corpo” (1984), “Direito de Amar” (1987) e “Vida Nova” (1988). No cinema, ele atuou em “O Sonho Não Acabou” (1982) e “Bete Balanço” (1984).

Ele também fez sucesso como cantor, lançando hits como “Não Vivo Sem Meu Rock” e “Tem Que Provar”, e também como apresentador do programa Globo de Ouro. Lauro faleceu em 1989, vítima de complicações decorrentes da AIDS, doença que foi escondida durante muito tempo até mesmo após sua morte devido ao grau de preconceito existente na época.

Em ritmo de lambada e brasilidade na programação da Trash 80′s desta semana, nada melhor que lembrarmos da novela Vereda Tropical, que estreava na rede Globo há quinze anos. A novela teve 164 capítulos e durou desde julho de 1984 até fevereiro de 1985, ocupando a faixa das 19 horas. Era dirigida por Jorge Fernando e Guel Arraes, e escrita por Carlos Lombardi e Silvio de Abreu.

Vereda Tropical tinha no elenco nomes famosos da teledramaturgia brasileira e alguns dos principais “sonhos de consumo” das mulheres da época: Mário Gomes, Marcos Frota, Nuno Leal Maia, Paulo Betti, Lauro Corona, além de Lucélia Santos, Maria Zilda, Walmor Chagas, Marieta Severo, Gianfrancesco Guarnieri, Rosamaria Murtinho e muito mais. Regina Casé, Stepan Nercessian, Rômulo Arantes e Maurício Mattar fizeram participações especiais em alguns episódios. O pequeno Jonas Torres fazia o papel de Zeca Pedra.

vereda tropical

“A operária Silvana é abandonada grávida pelo namorado, Vítor, que morre. O tempo passa e se inicia o tumultuado caso de amor de Silvana com o jogador de futebol Luca, causado pelo gênio esquentado dos dois e pela presença de Verônica, que joga seu charme e poder sobre Luca. Mas a complicação maior é por parte do pai de Verônica e Vítor, Oliva, que arma uma verdadeira guerra pela posse do neto Zeca.
Fugindo do cerco de Oliva, Silvana vai morar na Vila dos Prazeres, onde entra em contato com a família da viúva Bina, proprietária da cantina italiana La Tavola de Michele. Silvana passa então a ser cortejada pelos dois filhos mais velhos de Bina, o romântico e tímido Marco e Luca, um azarado centroavante que perambula por diversos times da várzea de São Paulo.
Por intermédio de Jamil, amigo de Bina, Silvana vai trabalhar na fábrica de perfumes CPP, de propriedade de Oliva e administrada por Catarina, outra filha de Oliva, que faz de tudo para impedir que Zeca se torne herdeiro da fortuna de seu pai.” (fonte: wikipédia)