A partir desse mês de outubro sou a jornalista responsável pela comunicação e assessoria de imprensa da Trash 80’s. Mas sou uma Trasher desde 2007, quando fui levada para a buaty por um amigo, que virou namorado e futuro marido: o Paulo Eugênio.

Trabalhávamos juntos e ele sempre convidava todos a ir para a Trash. Eu sempre falava que gostaria, mas ele afirmava que eu não iria gostar porque era muito criança nos anos 80 (sou de 85). De tanto insistir, fomos com mais três amigas para a Trash Centro.

Resultado? Me apaixonei logo que vi aquele povo animado e ouvi a música contagiante. Ele estava totalmente errado!

Nesses três anos, diversas festas foram inesquecíveis e quem conhece o casal já sabe… É difícil a gente parar de dançar antes das 6h. Mas uma das que mais marcou foi o Halloween de 2009 na The Week. Lembro que uma pista esvaziava, isso perto das 5h, e nós íamos para outra. Acho que nesse dia nós dois chegamos em casa perto das 8 da manhã.

A Trash 80’s para mim é diversão! E as coisas que mais definem essa festa para mim são: a música, o clima descontraído, o staff sempre atencioso, os DJs e os amigos.

Me divirto horrores quando toca “É tão bom”, das Paquitas; “Thundercats”;” Sweet Dreams”, “Sweet Child O’ Mine”, do Guns N’ Roses; e “Lua de Cristal”. Um certo dia… ouvi do “fumódromo” que estava tocando Paquitas. Na empolgação atravessei a pista correndo e subi no palco. Ainda na escada, tropecei e caí de joelhos no palquinho. Todo mundo olhou e um menino disse: “Você é uma verdadeira Paquita, até cai do palco”. Levantei e continuei a coreografia, como sempre!

A Trash agora virou trabalho, mas sempre com muita diversão!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente