Ela virou celebridade e ganhou fama por ser corinthiana roxa e não ter papas na língua. Nesta sexta, 25/6, a Vovó do Pânico será nossa DJ convidada na edição futebolística da #twittertrash.

Nossa festa é baseada em músicas pop dos anos 80. Você se lembra de alguma coisa daquela década ou sua idade avançada não permite?
Naquela época eu tinha uns 40 anos. Lembro mais ou menos, viu? Minha vida era tão complicada naquela época, com filho pequeno pra criar, não tinha as facilidades que tem hoje.

Pra você, quem é a velhinha mais ‘bem acabada’ da música atualmente, a Madonna ou a Xuxa?
Geralmente eu não gosto muito de nenhuma das duas, mas a que está melhor acho que é a Madonna.

Que tipo de música um corinthiano de verdade escuta? E a vovó, o que escuta quando está em casa?
Normalmente corinthiano gosta de samba, música de carnaval, samba-enredo e tem uns que gostam de funk, mas são poucos, eu acho. Em casa gosto mais de música romântica, Jair Rodrigues e… ai, como é o nome daquele outro? Ih, a memória tá ruim mesmo. (risos)

Você pretende tocar o hino do corinthians na Trash?
Olha, eu tava pensando em tocar, mas acho que vou levar ovada, o povo vai vaiar, não sei… melhor respeitar. Se bem que o pessoal pode gostar também, né? Vamos ver.

De onde você arranja inspiração pra falar tanto palavrão? Todo corinthiano é boca-suja?
Não, nem eu sou, viu? Na verdade a minha irmã é mais bocuda e até brinca que a boca-suja é ela e eu que ganho a fama. Mas não sei se todo corinthiano é boca-suja…
Hoje em dia tudo é festa, tudo é lucro, né?
A gente vê tanta desgraça na TV, morte, violência… Palavrão mesmo é o que os políticos fazem, isso sim.

E como começou essa história de aparecer no Pânico na TV?
Eu frequento a quadra da Gaviões da Fiel. Gosto de carnaval e das músicas antigas que tocam no começo do ensaio, como samba, choro, essas músicas mais antigas. E lá eu vou zuando com todo mundo. A Sabrina Sato desfila na Gaviões e um dia ela me procurou lá, perguntou de “uma senhorinha de cabelo branco, magrinha…” Aí ela veio falar comigo e perguntou se eu iria num jogo do Corinthians com ela e eu fui. Aí tava lá o Alfinete… eu nem sabia, nunca tinha visto esse programa (risos)… Aí depois disso foram me chamando…

E aí a senhora ficou famosa?
Ai… eu ainda me sinto muito esquisita com isso. O pessoal me para na rua, fala comigo, mas sempre com respeito. Ainda estou me acostumando.

Nossa festa tem como inspiração o Twitter. Diga algo para seus fãs que te seguem!
A minha netaiada, né? Não faz mal que é são-paulino, palmeirense, flamenguista, do Vasco, não importa, são todos netos. Amo todos! Que todo mundo seja muito feliz, sem brigas nas torcidas, sem violência, que todos se respeitem. E quem não quiser assim, que vá pra puta que pariu!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
2 comentários
  1. VOVO EU TE ADORO VC ANIMA MUITO TODAS AS PESSOAS BEIJO

    dialog
    Paulo Campos comentou em 7 de agosto de 2010 às 11:52
  2. Olá, sou estudante de jornalismo e procuro a Vovo do Panico para entrevistá-la.
    Estou realizando um livro reportagem sobre as mudanças no perfil dos nossos avós, e queria muito conversar com a vovó do panico.
    Poderiam me passar algum contato dela, pra que eu possa falar diretamente? Ficaria muito grata: daniellapina@yahoo.com.br.
    Obrigada desde já!

    dialog
    Daniella Pina comentou em 12 de agosto de 2010 às 13:13

Comentários fechados.