E vamos a 2004. O ano foi marcado pela profissionalização da festa. Isso ao pé da letra mesmo, com direito a equipe, escritório e cabeças pensantes elaborando diariamente as festas do final de semana. Com a nova filha as sextas-feiras, quintas-feiras, domingo e Vila Olímpia, e  mais as edições fora da cidade, fez-se necessário a criação de um QG.

Novos DJs foram adicionados de vez: Catatau na VO, Omar na matinê e Luy cobrindo festas esporádicas.

O aumento do séquito de trashers motivou a criação de um concurso que elegesse os representantes da galera, no caso uma Miss e um Mister. Dedéia Andrade foi a primeira a desfilar com coroa e cetro, enquanto que o eleito para usar a coroa de rei da “buati” foi o Gus.

Também do público surgiu a Trupe Trash. Os primeiros animadores foram Cris Mariposinha, Dani Bonani e Chico.

Depois de uma simpática participação na Parada no ano anterior, finalmente a festa colocou o seu trio na Paulista, e como não podia ser diferente, foi notada com elogios pelo público e pela imprensa. Sucesso absoluto.

Sim, a galera queria ver os ídolos de perto e neste ano eles apareceram em peso: Atchim e Espirro, Simony, Markinhos Moura, Jane e Herondy, Perla, Magal, Wando, Rosana e até um ex-Menundo, o Charlie!

Eleita a melhor festa do ano, a “Xuper Xou da Tréxi”, um tributo à Xuxa, retornaria em tantas outras edições.

A Trash 80’s havia virado mania!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente