Sábado, 18/4, muitos fãs foram ao Credicard Hall para conferir o show dos americanos do The B-52′s. Um deles, em especial, trazia na bagagem um mimo que fez especialmente para o quarteto. Em um rápido encontro, o artista plástico Thiago Cóstackz pode presenteá-los com uma obra de sua autoria, um quadro em que os quatro estão trajados com estampas que remetem a nossa fauna. Quer saber como tudo isso aconteceu? Então confira.



Quando e o que motivou a sua paixão pela banda The B-52’s?
Quando criança eu era colocado para dormir ao som deles. Em 1984, minha mãe enlouquecia ao som da banda e esta memória infantil ficou comigo. Mas acho que o que me motivou mesmo a gostar do grupo foi descobrir, no ano 2000, seu envolvimento com causas sociais e ambientais. Eles já foram até presos por invadir a Vogue americana para destruir casacos de peles. Dá pra um artista ambientalista, como eu, não ser fã deles?

Qual a sua música preferida?
Das antigas, “Roam”. Das novas, “Juliette Spirit” e “Dancing Now”.

Você os retratou em uma obra e os presenteou com ela. Como foi esse momento? Qual foi a reação deles?
Nossa, foi algo que guardarei por toda minha vida! Até agora estou melancólico pelo fim do show e em dúvida se aquilo realmente aconteceu. Eles, assim que entraram no camarim, correram até a obra. A Kate Pierson “brigou” por ela desde o inicio com os outros integrantes e alegou estar mais bonita na obra do que ao vivo. Nós tiramos algumas fotos com o quadro e eles riam muito durante a entrega. Segundo Keith Strickland foi ótimo receber um presente brasileiro que retrate uma causa tão importante. Ele disse: “Adoramos o Brasil, tenho que comprar uma camiseta de jaguar. Obrigado, Thiago. Muito bonito, adorei!”. E foi assim, em menos de 1 minuto cronometrado.

O que a obra, que é cheia de detalhes, retrata?
A obra chamada “Onça-Pintada encontra The B-52’s foi totalmente produzida com materiais reciclados, madeira de áreas reflorestadas e tecido de demolição, exibindo claramente as estampas de alguns animais da fauna brasileiros severamente ameaçados, como a onça-pintada e as pererecas coloridas fosforescentes da floresta Amazônica. Junto com elementos urbanos, como as rodovias, e, por fim, um disco voador abduzindo todos eles, como se o Ricky Wilson, falecido integrante da banda, tivesse reencarnado em outro planeta ou dimensão e estivesse a bordo do disco voador. A banda The B-52’s é fortemente influenciada pelas causas ambientais no mundo e isso me fez querer dar um pedacinho do Brasil ameaçada de extinção para seguir com eles.

Agora sobre o show, gostou? Qual a melhor parte?
O som no inicio estava um pouco ruim, mas foi perfeito. Eles nos surpreenderam mesmo. Como alguém com mais de 60 anos continua com aquela voz e presença de palco? Quando eles cantaram “Juliette Spirit” parecia que era pra mim, fiquei bem quietinho pra poder guardar aquilo para sempre na minha mente. Os DJs da Trash 80’s também abrilhantaram a festa e fiquei até as 3h da madruga, claro com uma peruca verde-limão para entrar no clima.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente