Por Alessandro Fiocco para Trash 80′s
11/10/07



Adolescentes, loiras e, obviamente, magras. De simples auxiliares da apresentadora Xuxa, as meninas que formavam as “Paquitas” ganharam brilho próprio e até uma carreira autônoma. O grupo teve quatro gerações. A primeira era integrada por Andréa Veiga, Andréia Faria, Louise Wischermann e Ana Paula Guimarães.

A segunda geração é que ficou famosa, marcada pelo hit “Fada Madrinha”, lançado em 1989, que mitificou a personagem do programa, fazendo com que meninas do Brasil inteiro tivessem um único sonho: ser paquita. Remanescente da primeira turma, Andréia Faria era a mais velha do grupo e foi apelidada por Xuxa de “Sorvetão”. Junto com ela estavam Xiquitita Surfista, Catuxita Top Model, Pituxita Bonequinha, Pituxa Pastel, Miuxa Bruxa e Paquitita. O primeiro disco das loiras – que na capa vestiam o famoso figurino de jaquetas e microshort preto e dourado – vendeu 800 mil cópias. “Bate na Madeira”, “Playback” e “Alegres Paquitas” foram outros sucessos.

Ainda no fervor do lançamento, bem no comecinho do ano de 1990, Andréia Faria deixou o grupo no momento em que o programa realizava o concurso para escolher uma paquita paulista. Entre as finalistas estavam Juliana Baroni e Bianca Rinaldi. Juliana, então com 11 anos, derrotou milhares de meninas e levou o título de Catuxa Jujuba. Já Rinaldi ocuparia a vaga de Xiquita e seria apelida por Xuxa de Bibi. Agrupadas às outras, elas viajaram o Brasil com o seu show e ganharam dezenas de fãs-clubes. Além disso, conciliavam a agenda do grupo com a da apresentadora, que incluía turnês, gravações do programa no Brasil e na Argentina, além das viagens internacionais. Tatiana Maranhão, a Paquitita, deixou o grupo no final de 1990, entrando Flávia Fernandes, a “Pluft”, em seu lugar. Marlene Matos, a empresária, percebeu que as Paquitas, além de disco, poderiam ser sucesso em outros segmentos. O ano seguinte pontuou a abertura da grife PQT, uma marca de roupas voltada para os adolescentes, juntamente com a loja. Um segundo disco também foi lançado. Já na era Collor, e em grande recessão, as meninas ainda tiveram uma boa vendagem de 200 mil cópias e emplacaram os hits “Sonho de Verão”, “Trocando Energia” e “Batatinha Frita”. Aliás, “Sonho de Verão”, lançado meses antes do disco, foi o filme estrelado por elas, uma aventura romântica que levou 1,5 milhões de pessoas ao cinema. Em 1992, Letícia Spiller dava adeus ao octeto. Para isso, nenhum concurso foi aberto. Ana Paula Guimarães, que fez parte da primeira turma, voltou ao grupo. Como o título que ocupou no começou do Xou, o Catuxa, era defendido por Juliana Baroni, a produção decidiu que ela agora seria apenas Catú. A agenda continuava apertada e agora incluía também gravações na Espanha e turnês fora do país.

Com o fim do Xou, elas continuaram com Xuxa e gravaram a música “Eu Não Largo o Osso”, que foi tema da “TV Colosso”, programa que substituiu o da loira. Em 1995, Xuxa e Marlene acharam que elas haviam crescido e perdido o ar inocente e infantil. Assim, todas foram substituídas por outras meninas. Cada uma seguiu um caminho. Confira o que elas andam aprontando!

Letícia Spiller

Apelida por Xuxa de Pastel, Letícia tornou-se um dos nomes mais fortes da nova geração de atrizes. Após a saída do Xou, fez um pequeno papel em “Despedida de Solteiro”, mas estourou dois anos depois, em 1994, como a espevitada Babalú de “Quatro por Quatro”. Em seu currículo ainda constam as novelas “Suave Veneno”, “Zazá” e “Senhora do Destino”. Atualmente está no ar em “Duas Caras”.
Roberta Cipriani

Deu adeus ao mundo da fantasia em 1995, quando todas foram substituídas. Formada em jornalismo, hoje viaja o Brasil junto com outras ex-integrantes da segunda geração.

Tatiana Maranhão

Conhecida por ser a melhor voz do grupo, Tatiana cresceu rápido e saiu do grupo. Atualmente desempenha a função de assessora de imprensa da Xuxa Produções.

Priscilla Couto

Freqüentadora do Xou desde pequena, Catuxita Top Model fez faculdade de moda e foi uma das poucas que nunca tentou ser atriz. Junto com Roberta e Cátia, viaja o Brasil fazendo shows.

Cátia Paganote

Miuxa Bruxa, a única que tinha cabelos enrolados, lançou um CD de pagode logo após a sua saída. Também posou nua e namorou o jogador Djair, na época integrante da equipe do Fluminense. É parte do trio que faz shows oitentistas.

Anna Paula Almeida

A Pituxita Bonequinha até tentou, mas não conseguiu seguir a carreira de atriz. Participou até da seleção da “Casa dos Artistas 4 – Protagonista de Novela”, mas ficou de fora no dia da escolha dos integrantes. Até o ano passado, fazia show com as outras meninas, mas ficou grávida, teve um filho e hoje é cantora gospel.

Juliana Baroni

Paulista de Limeira, a Catuxa “Jujuba” hoje é uma atriz com um currículo considerável. Além de fazer a Cacau, logo nos primeiros anos de “Malhação”, também atuou em “Cara e Coroa”, “Salsa e Merengue”, “A Lua me Disse” e em “O Profeta”. No teatro, participou de algumas peças do amigo e conselheiro Miguel Falabella. Atualmente é protagonista da novela “Dance, Dance, Dance”, da Band.

Bianca Rinaldi

Após tentar a carreira em grupo musical, a Xiquita “Bibi” caiu na frente das câmeras e se deu bem. Passou pela Globo, foi protagonista de novelas do SBT e hoje é umas das principais estrelas da Rede Record. Está no ar na novela “Caminhos do Coração”.

Flávia Fernandes

Entrou no lugar de Tatiana Maranhão e, assim como ela, tinha uma boa voz. Quando saiu, tornou-se garota-propaganda da revista “Querida”. Depois, trabalhou com Ocimar Versolato e hoje atua na área de marketing de varejo.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
3 comentários
  1. Elas são lindasssssssssss.

    de pequenas adolescentes a mulheres talentosas!!!

    dialog
  2. fiquei muito feliz em saber por onde anda essas garotas sinto muitas saudades afinal qual era a criança dessa época que não gostava das paquitas, um beijão a todas e que DEUS conntinue iluminando o caminho de cada uma.

    dialog

Comente