‘Não deixe a lista morrer/.
Não deixe a lista acabar/
A Trash foi feita de lista/
De lista pra gente xoxar/’

O post do Leco, um trasher intergrante do grupo de discussão que surgiu logo após o surgimento da Trash 80′s, é muito bem humorado mas mostra que na internet tudo também se transforma. A migração para comunidades baseadas em web, e não como grupos e listas de discussão por envio de e-mails, é um caminho sem volta. Enquanto a comunidade da Trash 80′s no Orkut (http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=30623) tem quase 11 mil pessoas cadastradas e não pára de crescer, a lista do Yahoogroups, a tiazinha mais velha, tem ‘apenas’ 702 e as mensagens trocadas vem diminuindo ano a ano.

Mesmo assim, muita gente prefere listas, pelo dinamismo e discrição. Pra fazer parte, acesse http://br.groups.yahoo.com/group/trash80s ou mande um e-mail para trash80s-subscribe@yahoogrupos.com.br

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Um comentário
  1. ´Se o lance da trash é ir para uma festa e parecer ridículo, conseguiram o que queriam.

    Tremendo desreipeito com a "outra fila", sem flyer, sem nome da lista, sem as costas quentes ou sem um Audi novo. Acuados num canto por mais de duas horas, os integrantes dessa fila não tem direito a nada, nem de reclamar.

    Por falta de um flyer (todos tinham, com exceção de uma amiga nossa), fomos jogados nessa fila maldita que só anda depois da 1:30 da manhã.

    Numa das "pérolas" dos seguranças pitbull que colocam na porta, diria para um garoto mestiço que reclamava da falta de respeito com a fila: "Abre o olho, japonês". Outro, depois de duas horas esperando e finalmente entrando, disse, enquanto chamávamos os outros amigos que esperavam: "Ou entra agora, ou não entra mais". Pressa repentina, depois de duas horas fazendo cara de merda pra gente.

    Esquema burro de tratamento dos clientes, espero sinceramente que a febre trash passe logo. Estive na trash há 3 anos atrás e tive uma ótima experiência, o que não dá pra dizer o mesmo agora.

    Seguranças te empurrando, de impedindo de andar, de falar, de reclamar, dentro e fora da festa. Pareque que estamos fazendo um favor que estar lá, pagar 20 paus pra entrar, ser tratado que nem cachorro.

    Eu, como todo o público da trash estamos envelhecendo. Na mesma medida, mais crítico e com menos paciência para aguentar algumas coisas. Mudem meus amigos, para não padeceram na história como aconteceu com as músicas que idolatram.

    dialog

Comente