Por Alessandro Fiocco para Trash 80′s

Formadores de opinião, atrações deixaram legião de fãs

Nem anos 70, nem a década de 90 e muito menos o princípio do século 21. O boom dos programas infantis foram mesmo os anos 80. E o leque era grande: apresentadoras com botas e shorts, palhaços e teatrinhos, programas educativos e muitas brincadeiras e desenhos animados. Fazendo um paralelo com os dias atuais, a programação das emissoras com sinal aberto era preenchida quase totalmente por programas destinados ao público infantil, nos períodos matutino e vespertino. Quer exemplos?
Na Globo, a nave da Xuxa aterrissava as 8h e só se despedia ao meio-dia. Na Manchete e Band tínhamos programas que ocupavam a faixa dos dois turnos, como o “TV Criança”, “Zyb Bom” e “TV Fofão”. E o que dizer do SBT, que produzia os programas do Bozo, da Mara, do Mallandro e da Simony – e logo depois o da Mariane?
Lançadores de moda, vendedores de discos e referências de uma década, os programas infantis da época deixaram um punhado de fãs e de boas lembranças.
Abaixo, os principais programas para crianças – e nem tão crianças assim – da década de 80.

Balão Mágico – 1983/1986

O Balão estreou na tela da Rede Globo em 7 de março de 1983. O grupo com o mesmo nome já tinha um ano de carreira quando o primeiro programa foi ao ar. Apresentado por Simony e o boneco Fofão, com participações de Mike e Tob, o programa logo se tornou campeão de popularidade. Para renovar a formula, novos personagens foram inseridos ao longo dos anos, como Cascatinha, Fofinho e Halleyfante. Ainda participaram da trupe o menino Jairzinho e a menina Luciana, prima de Simony. Além das brincadeiras, a garotada se amarrava nos desenhos apresentados no show, como He-Man, She-Ra, Mulher Aranha e Superamigos. O Balão fez a sua última viagem em 1986, sendo substituído pelo “Xou da Xuxa”.

Bambalalão – 1977/1990

Transmitido pela TV Cultura, o Bambalalão estreou em 1977, na linguagem de módulos gravados, mas só em 1982 ele passou a ser transmitido ao vivo, direto do Auditório Cultura. Encabeçado por Gigi Anhelli, que fez parte do programa da primeira edição até a última, o projeto tinha como preceito transmitir educação de maneira informal pela televisão. O show era dividido em quadros que estimulavam a imaginação infantil através de atividades de lazer e arte, inseridas em jogos, brincadeiras, mímica, teatro e canções infantis.
Além de Gigi, faziam parte do elenco a apresentadora Silvana Teixeira, o palhaço Tic Tac e os atores Chiquinho Brandão, Gerson de Abreu, João Acaiabe, Helen Helena, entre outros. Em 1990, após ganhar quatro prêmios APCA, o Bambalão saiu da grade da TV Cultura, mas muitos ainda se lembram da frase “Essa história entrou por uma porta e saiu pela outra e quem quiser que conte outra”.

Bozo – 1981/1991

Criado em 1946 no Estados Unidos, o palhaço Bozo só foi aportar no Brasil em 1979, na Rede Record. Em 1981, com a criação da TVS (atual SBT), Silvio Santos, então acionista da Record, levou o Bozo para o seu novo canal. Durante onze anos o palhaço fez parte da emissora paulistana e ganhou cinco troféus Imprensa. Durante um mesmo período, três atores se revezevam como o personagem. Nesta época, o programa era exibido durante três horários, tal a sua popularidade.
Além do palhaço, outros personagens, parte do programa, ganharam o carinho das crianças. Quem não se lembra da Vovó Mafalda, do Papai Papudo e do Salsi Fufu? Ah, e tinha também o garoto Juca e a Bozolina. Além dos teatrinhos com o elenco, Bozo convidava os pequenos por telefone para participar de suas brincadeiras. A mais famosa era a corrida de cavalos, em que miniaturas dos animais disputavam uma corrida para alegria do palhaço, que torcia mais do que o próprio telespectador. Em fevereiro de 1991, Bozo se despediu da telinha, após uma década de sucesso.

Clube da Criança – 1983/1997

O Clube, que teve a sua estréia no dia 6 de junho de 1983, é conhecido por ter lançado a carreira televisiva da modelo Xuxa Meneghel. Com cenário simples e poucos recursos, os primeiros anos do programa eram basicamente desenhos, sorteios e musicais. Com a ida de Xuxa para a Globo, o programa ficou órfão de apresentadora e passou a ser apenas uma sessão de desenhos. Um ano depois, uma menina de 14 anos foi chamada. Angélica, que até então era apresentadora da “Nave da Fantasia”, assumiu o posto.
Embalada na fórmula “Xuxa”, o Clube se reformulou e ganhou um grandioso cenário e “angelicats” para auxiliar a menina. O primeiro hit da loira, “Vou de táxi”, entrou nas paradas e ajudou a colocá-la em evidência. Por ser loira, as comparações logo vieram. Angélica ficou a frente do Clube até 1992. Em 2001, a loira com a pinta na perna, optou por outros formatos de programa que iam ao encontro de a um público mais adulto. O Clube ainda continuou com outras apresentadoras até 1997, mas sem grande sucesso.

Do Ré Mi Fá Sol Lá … – 1988/1990

O matutino do SBT teve duas fases distintas. A primeira foi em 1988 com a cantora Simony. Após o grande sucesso no Balão Mágico, fazer dupla com Jairzinho e apresentar a “Nave da Fantasia”, na Rede Manchete, a então adolescente ganhou o seu programa no SBT, “Do Re Mi Fá Sol Lá Simony. Com ela, outros personagens criados por Elifas Andreatto faziam a alegria da criançada, entre eles o palhaço Gargalhada, a fada Cores Cordélia e o Professor Osório. Após um ano, Simony ganhou um outro programa, o Show da Simony. Com isso, Elifas Andreato selecionou entre diversas meninas a nova apresentadora: Mariane, escolhida por ser uma excelente cantora. Aos 16 anos, assumiu o programa que passou a se chamar “Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si com Mariane”. Ao invés de baixinhos e baixinhas, a loira costumava chamar as crianças de bambinos e bambinas. Uma das marcas da apresentadora é que ela sempre dava ênfase a discursos ecológicos. Em 1990 o show acabou e o horário foi passado para Eliana.

Oradukapeta – 1987/1990

Sergio Mallando foi o único apresentador que se destacou durante o boom das apresentadoras infantis. Se Xuxa era o espelho para as meninas, Mallandro desempenhava esse papel muito bem com os meninos. O seu estilo, macacão e boné de lado, virou moda e o programa tornou-se muito popular em um horário bem difícil, já que batia de frente com o da rainha.
Cheio de bordões, como “chuchu beleza” e “vem meu glu-glu”, não podemos nos esquecer do “Olha o avião. Abaixa, abaixa!”, fazendo com que todas as crianças se jogassem no chão. No entanto, a maior lembrança que temos da época é o quadro “A porta dos Desesperados”. Nele, o apresentador escolhia na platéia alguém que tinha de optar entre quatro portas. Antes disso, era preciso mostrar muito desespero: de gritos e pulos, até ilustrar uma fuga imaginária de ferozes tubarões.
Em uma das portas, a felicidade: brinquedos e bicicleta. Nas outras três, desagradáveis surpresas: monstros que saiam correndo atrás da criança, geralmente muito assustada. O programa terminou em 1990, quando o apresentador aceitou a proposta da Rede Globo e se transferiu pra lá.

Show Maravilha – 1987/1993

Alheia as loiras da TV, Mara Maravilha tomou a frente do seu programa em 1987 e foi a única apresentadora morena dos shows infantis. Possuía um estilo irreverente e uma alegria única. No entanto, a fórmula do seu show era a mesma do global “Xou da Xuxa”.
Durante um tempo, a baianinha ganhou mais holofote da mídia por causa dos turbulentos namoros, como o com o ex-Menudo Roy, do que com os seus trabalhos.
Dona de uma voz marcante, a morena embalava as crianças com sucessos como “Liga pra Mim”, “Curumim” e “Foi assim”. Em 1993, Mara se despedia do programa e saia do SBT. Hoje em dia continua na vida artística como cantora gospel.

Xou da Xuxa 1986/1992

Por causa deste programa, Xuxa Meneghel tornou-se um dos maiores fenômenos de comunicação da TV brasiliera, ganhando com isso prestígio internacional. Advinda da Manchete, a maneca foi convidada por Boni para comandar um programa para as crianças. Aceitaria com uma condição: queria o seu nome no título. Aceito, a loira desceu pela primeira vez da nave no dia 30 de junho de 1986. Sempre de saia, shorts ou top, encantava também os marmanjos com os seus 1,77m e olhos azuis.
Durante os sete anos do programa, Xuxa vendeu milhões de discos, brinquedos e produtos em geral. Lançou moda, como as xuxinhas para cabelos e as botas de cano alto, além de emplacar vários hits musicais, como “Ilariê”, “Lua de Crista”l e “Doce Mel”.
Xuxa também era copiada pelos outros canais de TV. Por causa de suas paquitas, todos os outros programas do gênero adotaram meninas. O mesmo aconteceu com os seus paquitos. E se a loira chegava toda saltitante em sua nave, outras apareciam de balão ou trem.
Ainda hoje a apresentadora insiste no formato infantil em seus trabalhos, obtendo grande sucesso de venda com os seus produtos e DVDs. Na TV, comanda um show infantil, mas nada comparável aos anos de glória do “Xou da Xuxa.

Zyb Bom 1987/1989

Comandado por seis crianças que incluíam o hoje ator Rodrigo Faro, a atriz-mirim Aretha Marcos e Samantha Monteiro – aquela que foi excomungada por fazer campanha para o Maluf no final da década de 90 -, Zyb Bom foi exibido diariamente na TV Banderirantes entre 1987 e 1989. Dirigido por Augusto Cesar Vanucci, que havia dirigido grandes especiais infantis na Globo, como “Plunct Plact Zum” e “Pirlimpimpim”, a atração tinha como chamariz quadro de charadas, conselhos educativos e um espaço em que se ensinava construir brinquedos com sucata. A criançada também se divertia com o vasto universo de desenhos dos estúdios Hanna-Barbera.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
3 comentários
  1. hoje tenho 34anos mas ainda tenho todos esses programas infanto-juvenis gravados em minha memória, inclusive na tv a cabo ainda passa bambalalão pra minha surpresa e dia desses me peguei olhando, e é só ai que vemos como o tempo passa! saudades

    dialog
    gilmara hoffmeister comentou em 20 de março de 2010 às 21:10 Responder
  2. Salve! Salve! Anos 80 e 90!

    Todos os programas e desenhos infantis dessa época de ouro deixaram eternas e doces saudades, tenho certeza que não so eu mais como todas as crianças desse tempo, nos sentimos previlegiados por termos sido presenteados com esse mundo repleto de magia e encanto,é uma pena que a televisão Brasileira tenha deixado de investir em progrmas infantis.

    Fábio Júnior Venceslau

    fabiojrvenceslau@hotmail.com

    dialog
  3. e muito chato eu quero brincadeiras nã programas obrigado.

    dialog

Comente