Finalmente! Demorei, mas está aí meu depoimento para ser um trasher também. Preciso me identificar, claro. Sou o GUIGO, ou, se preferirem, Edison. Mas prefiro Guigo.

Tudo começou com minha linda irmãzinha, a Ju Poletti, freqüentadora assídua que vocês devem conhecer. Ouvia ela dizer que ia sair e sempre dizia que ia na Trash. Pensava comigo: “Que lugar é esse que ela vai toda semana?”. Aliás, só se falava na Trash e comecei a perguntar sobre esse lugar. A resposta era: “Você tem que conhecer, é muito divertido. Toca as músicas dos anos 80, enfim, é um lugar alternativo, as pessoas não ficam te olhando pelo que está vestido e nem como dança”.

Comecei a ficar curioso e falava: “Um dia vou”, mas não tinha coragem. Minha vida estava mudando, iria morar em João Pessoa, na Paraíba… “Agora vou conhecer esse lugar”! Tomei coragem e fui com a Ju.

Chegando na porta, comecei a me assustar, primeiro com a fila enorme. Enfim entrei. Estava meio receoso, ainda um pouco desconcertado, mas logo fui entrando no ritmo da casa, esta casa MÁGICA. Aquelas músicas lembrando minha adolescência, as pessoas não estavam preocupadas como eu estava dançando e nem como me vestia, isso me deixou muito à vontade.

Como estava de partida, tive poucas oportunidades de voltar na casa, mas voltei para as despedidas. Foram 3! Já nem queria mais me mudar, mas enfim fui… E agora, de volta, esse lugar MÁGICO faz parte da minha vida. Não consigo deixar de freqüentá-lo. Conheci várias pessoas – maravilhosas por sinal -, e agora estou aqui fazendo parte desta quase família convidando sempre novos amigos a experimentarem também. Tenho certeza que, como eu, vão amar… rs

Grande beijo!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente