Topei, tô aqui, que orgulho, vamos lá! Abrindo as asas, soltando as feras, caindo na gandaia e entrando nessa festa…

Brigas…
Tristezas…
Discussões…
Separações…
Desunião…
Desemprego… Um jovem de 18 anos da periferia sem expectativas de vida, mas sonhador… Vem aí… Calma! Isso não é chamada da Universal nem da nova novela do SBT. Foram algumas “coisinhas” presentes nessa minha história de amor e ódio até a TRASH 80´S que, como toda novela mexicana, terminou muito bem e feliz para sempre…

Agradeço muitississississíssimo pelo convite e espero que gostem do pouquinho do que sou eu na Trash e do que é a Trash em mim:

Há alguns anos fui convidado por um amigo para conhecer uma tal “festa”.
Sempre crianção, com meus 18 anos recém-completados e muito ligado nesses assuntos de anos 70, 80 – apesar de ter nascido em 84 -, aceitei o convite: foi amor à primeira música. Não só isso, não: a entrada, a decoração, a recepção, tudo impecável, apaixonante, calorosamente aconchegante. Fiquei encantado, ousei classificar aquela como a melhor noite da minha vida. Pena que depois desse dia fiquei afastado por muitos motivos, nem sei quais… Sempre comentava do lugar super fantástico que conhecera e com isso fui espalhando essa boa nova por onde eu passava, despertando curiosos e conquistando ossos duros que logo depois do “encontro com a Trash” adoravam e tornavam-se adeptos. Seria a Trash uma nova seita? A verdade é que a primeira TRASH 80´S a gente nunca esquece!

Voltei lá algumas aleatórias vezes, mas só sou freqüentador assíduo da casa há 1 ano. Necessito desse momento ao menos uma vez na semana, pois considero a Trash meu segundo lar. É onde eu tenho muito do que amo e estimo: sorrisos, alegria, amigos, músicas infantis, flash, brega (?), diversão, emoção, distração, goró, respeito, liberdade de expressão e de espírito, STAFF, DJ´s MA-RA-VI-LHO-SOS, Cris, Paula Funny… É onde eu posso pular, dançar, correr, cair no chão, brincar, me divertir, cantar, fazer “deformances”, paquerar, beber a noite inteira e sair renovado. É sério, cansaço não existe, tamanho bem que sinto naquele lugar. São tantas já vividas, são momentos que eu não me esqueci…

Claro, nesse tempo ganhei vários apelidos e amigos do peito que considero e amo D+, batizados carinhosamente por mim de Trupe Pakitrash x[|):-)… não vou nomear todos porque são muitos, mas eles sabem quem são: AMO VCS!!!

Traga a turma no Balão Mágico ou no Trem da alegria
Rola de tudo nessa viagem, diversão, risos e fantasia
Alto astral, felicidade, um arco-íris de energia
Sempre a melhor opção para estar, um sonho bom que contagia
Hoje é o dia, pode entrar, venha com a gente nessa folia

“Ser Trasher é um estado de espírito, não é algo pra se falar e sim vivenciar…”

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente