Por Alessandro Fiocco para Trash 80’s

Beth, desde pequena você já fazia shows em circos. Como eram e quais lembranças você tem dessa época?
Foi uma época muito boa. Eu fiz muito circo junto com a Vovó Mafalda. Depois, quando comecei a minha carreira, comecei a fazer sozinha e foi uma época maravilhosa em minha vida.

Você passou a sua infância nos 80. O que gostava de ver na TV e quais eram os seus ídolos nessa época?
Na verdade eu acho que não consegui ter muita infância, pois já viajava muito e não tinha muito tempo para as diversões comuns da fase, mas gostava muito de ver, claro, os programas do Bozo e adorava a Xuxa e os desenhos do programa dela. Os meus ídolos nessa época eram os grupos Menudo e Dominó. Eu era menudete e dominete e tenho muito orgulho, viu?

Qual a sua maior lembrança dos anos 80?
O inicio da minha carreira como cantora.

No auge da lambada, você lançou o hit “Ai Moreno”. Como foi fazer parte do movimento lambada?
Foi bem legal, porque até então, o meu primeiro disco foi dedicado ao público infantil. Eu tive a oportunidade de gravar essa lambada a pedido da minha gravadora, na época a Copacabana, e fez o maior sucesso no Brasil. Inclusive tinha um programa na rádio Metropolitana que era o maior sucesso aqui em São Paulo. Tocava as mais pedidas da semana e em algumas a música “Ai Moreno” ficava em primeiro lugar. Era muito bom ver a resposta do público.

Com essa música, você fez participação nos principais programas de TV, em destaque, os infantis. Conte-nos segredinhos de bastidores e como foi essa fase.
Era uma loucura! Eu sempre chegava correndo e saia correndo, pois foi uma fase em que eu vivia na ponte aérea, já que gravava em São Paulo o programa da Simony, Mariane, Mara, Malandro e Bozo e ia para o Rio gravar Xuxa e Angélica. Era um universo muito mágico e bem gostoso.

Seu pai, interpretando a Vovó Mafalda, foi uma dos grandes ídolos da criançada nos anos 80 e 90. Pra você, por que a Vovó tinha tanta empatia com o público infantil?
Em primeiro lugar acho que ele fazia o programa com tanto amor e verdade, que isso era passado pra criançada. Fora os conselhos que a Vovó dava que eram bem legais. Ele se foi, mas será a nossa eterna Vovó Mafalda.

De uns anos pra cá você direcionou a sua carreira pra linha country/sertaneja. Por que essa mudança?
Na verdade eu sempre gostei de música sertaneja, influenciada por minha mãe que é do interior e fez com que eu crescesse ouvindo esse estilo.
Gosto muito de cantar a música sertaneja e tenho um público bem cativo.

Esse mês você fará dois shows na Trash 80´s. Conhece a festa?
Conheço e gosto muito. A Trash 80´s faz com que relembremos os velhos e bons tempos.

Qual a sua expectativa para os shows?
Particularmente pra mim, será um show bem diferente. Eu e minha equipe vamos montar um repertório dos anos 80 e garanto que será bem divertido.

Mande uma mensagem para os trashers.
Quero ver todos vocês lá e vamos nos divertir pra valer!
Um grande beijo no coração.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente