A primeira vez que eu apareci na Trash, em um dia de agosto de 2004, prometi que não voltaria mais. Achei tudo muito estranho. O lugar lotado, quente. Saí antes das 2h, bem irritada. Mas passado uns dois meses, de tanto ouvir alguns amigos falarem que lá era um lugar mágico, assim como um mundo paralelo, não resisti e voltei.

Ao chegar lá pela segunda vez, parece que meus olhos viram uma outra festa. Um DJ de óculos escuros e algumas pessoas que faziam coreografias naquele palquinho me encantaram, não conseguia tirar os olhos daquele lugar. E, passado algum tempo eu já estava surtando na pista com o Chico e a Dani Bonani, que eu acabara de conhecer.

Desde então minha vida não foi mais a mesma, precisava sempre daquele lugar, em que eu entrava e parecia que tudo de ruim era deixado do lado de fora, necessitava sentir aquela energia.

Passei então a freqüentar os flogs dos trashers e acabei descobrindo mais pessoas maravilhosas. Já não conseguia mais aparecer somente uma ou duas vezes por mês, e, à medida que comecei a conhecer mais pessoas, passei a ir sozinha, porque sabia que chegando lá ia encontrar pessoas que já faziam parte da minha vida.

A partir de então me tornei freqüentadora assídua, assim como um “trasher de carteirinha”, e hoje, mais do que isso, compreendo que nesse mundo dos sonhos, também faço parte.

Espero sempre ansiosamente pela quinta feira, porque sei que vou chegar lá e ter o abraço de pessoas que se tornaram tão importantes para mim, algumas das quais tenho a certeza de que levarei para sempre. Encontrei pessoas tão distintas, mas que me mostraram que mesmo na diferença é possível ter muitas afinidades e isso me encanta.

O mais fantástico da Trash é que as pessoas vão lá apenas para se divertir, sem nenhum tipo de preconceito, e o clima de uma festinha de amigos, que não se encontra em nenhum outro lugar. Resumindo, a Trash é a melhor festa da cidade, onde se encontra a melhor energia e as melhores pessoas.

Sei que é clichê, mas é inevitável agradecer a todos que de alguma maneira fazem da Trash um lugar tão mágico, que colocou pessoas tão maravilhosas na minha vida e que se tornou a minha segunda casa.

Três coisas que eu mais gosto na Trash:
1) Saber que toda vez que eu entro lá, posso conhecer alguém que vai se tornar um grande amigo.
2) O clima da festa que te contagia logo na entrada, não há como ficar triste na Trash.
3) Surtar com as músicas que só tocam lá.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente