Por Roberta Ribeiro para Trash 80´s

Em meados da década de 80, virou febre entre os meninos apontar espadas de plástico para o céu e gritar: “Pelos poderes de Grayskull. Eu tenho a força!” e saírem a cortar o ar, seus “inimigos” e companheiros de brincadeira por aí. Era a mania de querer ser He-Man. que chegava.

O desenho era exibido no “Xou da Xuxa”, pela manhã, quando boa parte das crianças ainda estava em casa, antes da escola. Contava a história do príncipe de Etérnia, Adam, que ganhava de Feiticeira uma espada mágica, que o transformava em He-Man, o homem mais poderoso do Universo. O tigre de estimação de Adam, o medroso Pacato, também se transformava ao ser atingido pelos raios de energia da espada de He-Man, e virava Gato-Guerreiro. No entanto, nem todos os outros personagens da série sabiam que He-Man e Adam eram a mesma pessoa, segredo guardado principalmente de Esqueleto, seu maior inimigo, que queria dominar Etérnia.

Do lado do bem, estavam também os pais de Adam, rei Randor e rainha Marlena; Mentor, chefe da guarda do castelo, além de Stratos, Aríete (que com sua cabeça podia destruir facilmente seus inimigos) e o atrapalhado mágico Gorpo (que no original chamava Orko e, por isso tinha, um “O” gravado na roupa) . E do lado do mal, além de Esqueleto, havia Maligna, uma bruxa poderosa, e os pouco inteligentes Homem-Fera, Mandíbula e Tri-Klops.

O que a maioria não sabe é que He-Man só existe, de certa maneira, graças a Arnold Schwarzenegger. Estranho, mas real. A Marvel, que primeiro produziu os bonecos He-Man, antes de se transformar em animação, queria na verdade colocar a venda mini-Conans, personagem de Arnold em “Conan, o Bárbaro”. Contudo, como o filme era violento demais para ser visto por crianças, tiveram que desistir da idéia dos bonecos do personagem. Mas já tinham a linha de produção preparada. Então, nasceu He-Man, com um corpo inspirado no de Schwarzenegger.

A mania de He-Man foi tão grande que diversos produtos – de brinquedos a chocolates – foram licenciados com a marca do herói musculoso. Até música ele ganhou, com o Trem da Alegria. Uma das preferidas do público da Trash tem coreografia especial e tudo! He-Man é o típico herói de quem foi criança nos anos 80, daqueles que salvavam o mundo apenas com músculos. E precisava mais? Sim, precisava! No fim de cada episódio, Adam ainda dava uma pequena lição de moral para seus espectadores.

E vamos concordar, tinha que ser muito macho para defender sozinho um reinado inteiro contra um inimigo que nem pele tinha e dava medo só de olhar, né? E ainda ter tempo de pensar no que podia ser aprendido de cada situação ao fim de cada episódio? Esse He-Man era um herói mesmo!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente