Por Roberta Ribeiro para Trash 80´s

Se a moda internacional era dominada pelos grandes estilistas, não só deles vivia a moda brasileira 80’s.

Óbvio que não dá pra discutir a importância de nomes como Clodovil Hernandez, por exemplo. Muito antes de ser apresentador de TV e causador de polêmicas de plantão, Clô teve uma participação muito boa no TV Mulher, programa que o alçou ao estrelato. Lá, ele dava dicas de moda para as espectadoras e recebia cartas de mulheres que almejavam modelos exclusivos do estilista, mas não tinham dinheiro para bancar o luxo.

Outro que teve destaque com seus desenhos, porém mais voltado para noivas, foi o também encrenqueiro Ronaldo Ésper. Quando ainda não alfinetava famosos na TV, o costureiro fazia os modelos mais desejados e disputados pelas casadoiras da década do exagero. O lado bom é que, se não tinha condições de comprar um vestido exclusivo, a noiva podia optar por fazer um primeiro aluguel ou um segundo, terceiro, quarto… conforme seu bolso.

Agora, entre quem não pretendia se casar nem estava interessado em luxo e glamour, as marcas eram muito mais importantes do que quem desenhava as roupas. Foi a ascensão da etiquetamania: aquele pedacinho da roupa que carrega o nome da confecção que a produziu passou a ser alvo principal dos jovens na hora de comprar. Com isso, os preços das marcas mais famosas foram às alturas (onde continuam até hoje, diga-se de passagem). Neste período surgem lojas como Ellus, Fórum e M.Officer, OP, Pakalolo, Phillipines, Hang Loose e USTop, por exemplo.

Se não havia lojas como a Daslu, a década de 80 viu o estouro dos shopping centers pelas grandes metrópoles. Moda fast food: cara, fácil de comprar e que tirava a obrigação do consumidor de pensar em estilo, pois tudo já estava ali, pronto.

Ainda hoje, marcas e shoppings têm grande importância no mercado brasileiro. Mas é possível perceber que parte da população já não se prende tanto ao que vê nas vitrines, e a herança de moda dos anos 80 fica mais na reciclagem de estilos e usos que nas marcas de então.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente