Por Roberta Ribeiro para Trash 80´s

Se na Trash 80’s tudo começou como uma brincadeira entre os amigos Eneas Neto e Tonyy, nada mais correto que afirmar que um dos componentes essenciais do clima todo especial da festa é a amizade que une os freqüentadores.

Normalmente, as relações entre os que vão à Trash 80’s são estabelecidas de uma mesma maneira: as pessoas vão uma vez, gostam do que vêem e ouvem e resolvem voltar mais vezes. Acabam conhecendo pessoas que todas as semanas também estão lá e formam grupos com interesses comuns.

E se a Trash serve como ponto de encontro, as amizades que começam nela não se limitam ao Caravaggio ou ao Spazio: é muito comum ver amigos de Trash 80’s que combinam churrascos, encontros diurnos e até mesmo viagens juntos. Isso quando não se apaixonam, namoram, casam e têm filhos, como já aconteceu…

Até mesmo a tão falada fila na porta da festa serve como base para que pessoas se encontrem, se conheçam e novos relacionamentos tenham início! São verdadeiras famílias de amigos que se formam a cada noite.

E é esse espírito amigável, essa vontade comum de estar junto, que transforma uma pessoa em trasher. Para isso, não é preciso um limite mínimo de freqüência na Trash: basta entrar no clima, cair na farra e deixar que novas – e divertidíssimas – pessoas ganhem um espacinho (ou seria espação?) na sua vida.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente