Trasher da semana? Eu? Como assim?

É. Tarefa bem difícil. Mas vou tentar simplificar a história que tem milhares de adendos e milhares de “era pra ter acontecido antes”. É! Sabe quando seus amigos te convidam pra ir num lugar “super divertido que toca todas as músicas da sua infância e que dá pra se jogar um monte” e aí você torce o nariz porque as tais músicas incluem além de Pet Shop Boys e Erasure, coisas como Xuxa, Balão Mágico e Angélica. E vamos combinar, que pra quem não se preparou psicologicamente com um certo tempo de antecedência, dançar isso numa pista pode causar sérios danos à moral e à sanidade mental. Ainda assim, com um ano de atraso desde o primeiro convite, fui parar “nu tréxi”.

Feriado de Páscoa. Queria sair pra dançar. Liguei pra uma amiga, e resolvemos ir numa balada rocker. Cheguei antes dela, o que não é muito usual (já que eu SEMPRE estou atrasada). Vi a fila aumentar. Confesso que não estava me agradando. Encostei numa parede qualquer, olhar perdido, aquela cara de “tô, mas não tô”. Até que o “menino-com-cara-de-argentino-que-tava-no-aniversário-do-vecks” passou lá na frente. Não sei como, mas lembrei o nome dele na hora.

-GUUUUUUUUUS! Ô, GUS! Pára o carro aí! Espera a Bionca comigo!

E ele fez aquele sinalzinho de “há. Espera sentada”, mas assim mesmo, deu a volta no quarteirão e parou o carro. Conversamos sobre amenidades, tédio, falta de opções legais de verdade na noite paulistana e até sobre um festival de música eletrônica que tava rolando no Jóquei Clube.
-Ah! Fica aí com a gente…
-Nem. Eu vou pra Trash. Vamos?
-Ai… Trash? Jura? Hmmm… vamos esperar a Bionca chegar.

Era o convite que me dava medo, que eu não agüentava mais declinar, tipo aquela pessoa chata que te pede autorização umas dez vezes no Orkut. E depois que você aceita, descobre que na verdade, a tal pessoa era bem legal e vocês viram melhores amigos! Foi mais ou menos assim. Na louca. Não poderia ter sido melhor. Trash Super-heróis. Fui apresentada a alguns deles logo de cara. E esses super heróis e heroínas entraram na minha vida chutando a porta da frente, abrindo a geladeira de casa e ligando a TV. Tudo no susto. Tudo de surpresa.

Sei que me acabei de dançar naquele dia. E no dia seguinte… e no outro… e no final de semana seguinte… e já deu pra entender, né? A Trash virou a segunda casa. Virou o lugar onde eu me sinto confortável. E quem virou a chata que insiste pra todo mundo ir pra lá pelo menos uma vez na vida fui eu. Em menos de um mês, vesti a camisa do time. Marquei um “T” no meu coração (ai, que cafona!). E consegui contagiar mais uma! Tudo bem que ela não ofereceu muita resistência. O que importa é que ela também se viciou.

Tenho que agradecer a muita gente que faz com que eu me sinta especial ali dentro. Aliás, cada um sabe o peso que tem na minha vida. Depois do vídeo que o Ronaldo TT (porque ele é Trash duas vêiz), qualquer tentativa de agradecimento se torna obsoleta. E isso aqui não é pra ser sentimental! Chega. Quer saber o que é a Trash 80′s? Corre pra lá e se joga que você vai entender! E se tiver sorte, como eu, corre o sério risco de conhecer gente que vai mudar sua vida, uma nova família (daquelas que você pode escolher. Família por afinidade), o grande amor… e na pior das hipóteses, você vai ser divertir MUUUUITO! Vai, byanna! Acredita, bonita! Se cobre de glitter e corre pu tréxi! =D

Por que a Trash 80′s?

-Pet Shop Boys, Erasure e ABBA: as três primeiras coisas que me chamaram atenção na música. Eu devia ter uns 8 anos no máximo. Cismei de fuçar nos discos do meu primo e encontrei isso. Háaaaa… a história começou aí.

-Tonyy, Enéas, Nico e Wander: só porque eles são fodas. Só porque eles tocam tudo que eu quero ouvir e de vez em quando ainda arrancam algumas lágrimas.

-Chiara, Edu Luke, Gus, Lija, Manny, Tati, Índio, Fê Pitéu, Medinas, Danny Dee, Rafinha, Bionca, Sean, Mdee, Vini, Magiozal, Paulinha, Adriano, Aninha, Ice, TT, Dedéia, Cleyton, Dri, Lubão, Nauê, Victor, Said, Luana, Regina, Janeyde, Alisson, Márcio, Nola, Fábio… e todo mundo que é trasher põe o dedo aqui, que já vai fechar! Sim. Porque a minha Trash é feita de pessoas. Não é só a música. São as pessoas que fazem a festa especial. E sem elas, não teria o mesmo brilho! E tem muuuita gente. Não deveria nem dar nomes aos bois (ou vacas, como queiram) pra não esquecer o nome de ninguém. Mas arrasa. Quem me diverte, sabe que pode colocar o nominho aqui também!

-Quarteto Fantástico: é um caso à parte. A Fê já era minha irmã. Lulu Alencar e Datcho abriram o espaço deles aqui. 4 ever. =D

-Parada GLBT ‘ 04, Trash Mil Bichos, Trash Miniaturas, especial Markinhos Moura, aniversário da Lija, Sushizadas, Rockets+Fran’s no domingão… alguns dias inesquecíveis

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente