Por Ligia Helena para Trash 80′s

Há algum tempo, quando para ver mulher pelada na televisão era necessário esperar o carnaval chegar, ou ficar acordado até altas horas, os homens eram mais fiéis às suas musas. Hoje, a cada estação uma moça é escolhida para ser a “gostosona” do momento, estrelar capas de revista, dar entrevistas e mexer com a imaginação masculina. Quando uma surge, a outra cai no ostracismo.

Nos anos 80 o brilho das musas era mais duradouro. Elas eram capazes de encantar os homens por anos a fio. Prova disso são os inúmeros ensaios sensuais para que são convidadas até hoje, e o número de websites que ainda publicam fotos daquela época. Para conferir, basta fazer uma rápida pesquisa em qualquer sistema de busca na internet.

Será que daqui a dez anos a Playboy vai convidar a Tiazinha, a Feiticeira ou a Dany Bananinha para estampar sua capa, como aconteceu com Luciana Vendramini, 16 anos depois de suas primeiras fotos nua? Será que alguém vai perguntar pela Juliana Paes, como perguntam até hoje por Magda Cotrofe? É esperar para ver…

Luciana Vendramini:
Nasceu em Jaú, interior de São Paulo, em dezembro de 1969. Estreou na TV usando short e botas brancas, como Paquita no Xou da Xuxa.
Aos 17 anos, participou do concurso “Garota do Fantástico”, e virou a cabeça dos marmanjos que passavam o domingo em frente à televisão. Foi o suficiente para a revista Playboy convidá-la para estrelar suas páginas, a despeito dela ser menor de idade. Naquela época não havia o Estatuto da Criança e do Adolescente mesmo…
O status de musa serviu pelo menos para ela casar com um dos maiores ídolos brasileiros da época: o cantor Paulo Ricardo, da banda RPM.
Após alguns anos de reclusão, Luciana Vendramini aceitou o convite da revista Playboy, e em 2003 posou nua novamente. Desta vez sem as lágrimas que, diz a lenda, marcaram o ensaio fotográfico dos anos 80.

Magda Cotrofe:
É impossível falar sobre as musas dos anos 80 sem citar Magda Cotrofe. Modelo, foi uma das mulheres mais presentes no imaginário masculino naquela época. Contracenava com Jô Soares no programa “Viva o Gordo”, participava de desfiles de carnaval, fazia anúncios publicitários e rivalizava com a top model Luiza Brunet.
Hoje em dia, para tristeza dos meninos da época, Magda Cotrofe ganha a vida dando aulas de etiqueta. As três capas da Playboy ficaram só na lembrança.

Aldine Muller:
A bem da verdade, precisamos deixar claro: Aldine Muller é musa desde os anos 70. Porém, como continuou povoando as fantasias masculinas nos anos 80, não pode deixar de ser citada.
Ela foi uma das maiores estrelas das pornochanchadas da década de 70, atuou em filmes como “Socorro! Eu Não Quero Morrer Virgem”, e “Bem Dotado – O Homem de Itu”.
Como já vimos aqui mesmo no “Cultura Trash” , as pornochanchadas foram produzidas até o início dos anos 80, quando começaram a perder espaço para os filmes pornográficos americanos. Aldine Muller, então, passou a fazer novelas e minisséries, e provou que além do corpo escultural e do rostinho bonito, tinha talento pra atuar também.

Luiza Brunet:
Uma das modelos mais famosas do Brasil nos anos 80, Luiza Brunet não perdeu a oportunidade de figurar em centenas de revistas. Só na “Playboy”, ela foi capa cinco vezes. Na “Ele Ela”, extinta revista masculina, estampou a capa sete vezes. E ainda foi estrela de revistas femininas, de comportamento, de pais e filhos…
Isso porque Luiza Brunet abdicou do posto de sex symbol bem cedo, quando teve sua primeira filha, Yasmin. Aos poucos foi abraçando a carreira de empresária e abandonando os holofotes. Para a sorte dos fãs de Brunet, a filha é tão bonita quanto a mãe. Mas ainda tem 15 anos, portanto os tarados de plantão devem ir com calma…

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
2 comentários
  1. eu quero ver mulher pelada

    dialog
  2. Luiza uma deusa.Aldine enloqueceu minha geração,e a Luciana ?? Ah a Luciana… mas a Magda era uma Raimunda,igual a Carla Perez,boa só de bunda…

    dialog

Comente