Desde criança, eu gosto de tudo que é realmente trash. Sempre gostei de músicas e pessoas consideradas erradas. O meu sonho de adolescência era poder dançar, sem culpa, todas as músicas renegadas dos anos 80. Mal sabia que isto aconteceria vinte anos depois. Um belo dia, uma amiga minha recomendou o finado blog de Alisson Gothz, “Meu cu, minhas tetas”. Um post escrito no mês de maio, dizia: “A partir desde sábado, festa trash 80’s no Bar D’Hotel Cambridge”. Nem dei muita confiança, mas algumas amigas foram a esta festa e fizeram questão de me ligar e dizer: “Vem correndo para cá que esta festa é a sua cara!” Novamente, não dei confiança e disse… Semana que vem eu vou. E realmente fui. Na semana seguinte, eu fui para a porta do hotel, que tinha uma fila enorme na porta e eu, sem entender muita coisa, me apresentei para o Alisson. Já na entrada escutei “Menina Veneno” e acompanhei a performace de Michael Love, cantando para o segurança Paulão… “Seu pau é pequeno…” Ali na porta, eu já pude perceber que o clima da festa era bom. Entrei e veio na minha mente a vontade que eu tinha de dançar tudo que começou a tocar. O momento que selou o meu amor eterno pela trash foi… Eu, com todas as minhas amigas no lobby do hotel, escuto os primeiros acordes de… XANADU… Eu gelei, pois Olivia Newton-John era um dos meus amores de infância. Corri para a pista e comecei a dançar desesperadamente. A minha vontade era abraçar o DJ (no caso, Eneas Neto que, no futuro, eu descobri ser um aficcionado por Olivia também) e dizer… “Obrigado por ter realizado o meu sonho de dançar “Xanadu” numa pista. Obrigado por ter me feito feliz!”. A mesma emoção eu senti ao ouvir Giorgio Moroder com “From Here to Eternity” (que foi tocada por um outro DJ, magro e com o cabelo arrepiado… vulgarmente chamado de “Tonyy”). Este dia foi tão marcante que até mereceu post no meu blog. Acredito que muitas pessoas que foram a Trash, sentiram a mesma emoção que eu senti ao ouvir aquela música preferida mas, ao mesmo tempo, escondida de todos os amigos da turma. Desde então, passei a freqüentar a festa Trash 80’s todos os sábados. Neste quase um ano, eu fiz novos amigos, arrumei um namorado e realmente me sinto feliz até hoje.

Além disto tudo, eu relembro todos os meus AMORES DE INFANCIA:

TIMÓTEO
Quando esse homem aparecia na TV, eu parava o que estava fazendo e corria para vê-lo. Eu ficava tão transtornada que não parava de beijar a TV e quando ele ia embora, eu chorava copiosamente. Tinha oito anos e sentia um amor profundo pelo Timóteo. Até hoje eu não entendo todo esse amor. Certa vez, eu encontrei o Timóteo no show de lançamento da caixa de CD’s da Discoteca do Chacrinha e lembrei o que ele causava em mim. Era um misto de tesão com afetuosidade. Sentia aquele homem muito próximo a mim. Amei profundamente o Timóteo quando estava na tenra idade. Hoje, eu tenho muita vontade encontrar com ele e contar tudo isso. Declarar o amor que eu senti naquela época.


TRAVOLTA

A foto da capa do disco “Embalos de sábado à noite” marcou a minha vida. O filme marcou a minha vida. O Travolta de terninho branco justo com a mãozinha levantada! O que era aquilo? E olha a cara de tonta da mulher, olhando para ele. Eu lembro que as covinhas do Travolta mexiam com a minha libido. Tanto que eu fiz a minha mãe me levar no cinema ver ao filme várias vezes e comprar o disco para mim. A primeira cena do filme me arrepia até hoje. Os pezinhos do Travolta e som de Bee Gees. Esse filme é que lançou o sábado como dia de festa, cheguei a esta conclusão. Tony Manero foi meu ídolo e me mostrou como me divertir. Coisa que eu comecei a fazer com meus 12 anos. E viva o Tarantino que trouxe de volta o Travolta gordo em “Pulp Fiction”.

MAGAL
Sidney Magal é o nosso rei do rebolado. Nem Ricky Martin rebola como o Magal. Eu tive o prazer de viver numa época em que o Magal era o astro do programa do Chacrinha. Ele cantava usando um macacão prateado e as chacretes o rodeavam e dançavam com ele. E ele mandando.. “Ooooo eu te amo… E o meu sangue ferve por você!” O Magal funcionava como um coringa do programa “Qual é a Música” do Silvio Santos. Quando o Moacir Franco estava preste a ganhar a coroa de campeão, o Magal ou a Gretchen iam e tiravam a coroa do Moacir.
Eu respeito o Magal por isso até hoje ! Quando eu era criança, achava o mais sensual dos homens. E depois que eu ganhei o disco dos 20 maiores sucessos do Magal fiquei mais impressionada com ele e isto será para o resto da vida. O Magal deve ser todo Kundalini, esse homem no palco é um absurdo! Ele hipnotiza! Ele fascina! Ele domina! As mãos tremendo e o joguinho de perna… Ai meu Santo Agostinho ! Recentemente eu o conheci pessoalmente e fiquei muito impressionada com a sua simpatia. Para mim, Magal é Deus e a música “O MEU SANGUE FERVE POR VOCÊ” é a maior declaração de amor que alguém pode fazer.

OLIVIA
E, como não podia deixar de ser, ela… A minha deusa mor. A rainha da sofisticação e da beleza: Olivia Newton-John.
Quando eu era criança, eu era fanática por ela. Assisti ao filme Xanadu tantas vezes, que cheguei a decorar os passos que ela fazia durante as músicas. Fiz Mamãe Spaca comprar uma fita cassete e escutei até enrolar no cabeçote do toca fitas.
Aprendi a patinar para ficar mais parecida com ela. Andava pelo meu minúsculo quarto com os patins e levantava as mãos e gritava: “For you, Xanaduuuuu”.
Minha frustração era não ser loira e não ter olhos claros como ela.
Até hoje, eu sinto prazer em escutar todas as músicas dela. Vida eterna para a Olívia!

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente