Por Georgia Nicolaou (Gigi)

A década de 80 conseguiu produzir coisas muito boas, coisas muito ruins e outras de gosto duvidoso. Nessa década, o rock “político” dos anos 70 foi substituído pela apologia ao demônio, às drogas, aos carros e mulheres. Surgia o heavy metal. Junto com esse estilo, outro tipo de som “pesado” aparecia, apoiando-se num visual glam, abusando de maquiagem, roupas extravagantes e penteados de cabelo bizarros. Muitas bandas transitavam entre essas duas linhas, como é o caso do WASP. Há quem diga que o light metal era mais dirigido às mulheres, pois as bandas traziam integrantes bonitinhos… Falando de festinhas, mulheres e muita velocidade, essas bandas conquistaram seu lugar nas paradas de sucesso. O Brasil também teve seus representantes, como a banda Platina, cujos integrantes mais tarde formariam o Taffo, com o guitarrista Wander Taffo (Rádio Táxi), e depois tornariam-se o trio Dr. Sin. Atualmente, o hard rock, o poseur rock, o hairy rock, ou vulgarmente chamado de rock farofa, faz sucesso na cidade onde praticamente nasceu: Los Angeles, a cidade mais glam do mundo.

Você se lembra como essas bandas começaram? E por onde elas andam hoje em dia?

POISON
Surgiu no ano de 86, na cena dos clubinhos de Los Angeles. Considerados glam-metal-punk (“quando o Sex Pistols encontra o Kiss com ácido”), os integrantes do Poison apareciam travestidos, usando uma maquiagem extremamente feminina, e roupas bem coloridas. O primeiro grande sucesso foi Talk Dirty to Me. No começo dos anos 90, começaram os problemas na banda, que culminou com a saída do guitarrista CC Deville. O Poison continuou sua carreira, CC voltou, e o último álbum deles é de 2002, Hollyweird. Neste mês, estão em turnê pelos Estados Unidos com o Vince Neil (Mötley Crüe) e o Skid Row, apesar de Bret Michaels manter sua carreira solo paralelamente, e Rikki Rockett estar se dedicando a pinturas em tampas de privadas….

BON JOVI
Surgiu em New Jersey, no ano de 82, apesar do primeiro hit, Runaway, e do primeiro álbum só virem dois anos depois. A banda conseguiu reunir uma legião de fãs- na maioria meninas- e tinham um gosto bem duvidoso para as roupas. Eles começaram a carreira fazendo músicas mais pesadas e depois viram seu hard rock se transformar, tornando-se mais pop, mais comercial. Na década de 90, John Bon Jovi descobriu o cinema, o baixista inexpressivo saiu, dando lugar a outro integrante mais inexpressivo ainda, e Richie Sambora decidiu lançar álbuns solos, já que de uns tempos para cá é ele quem segura melhor os vocais dos shows. O último álbum é do ano passado e chama-se Bounce. Estaria na hora do Bon Jovi se aposentar?

MÖTLEY CRÜE
Também surgiu no começo dos anos 80 em Los Angeles. Nesse mesmo ano, saiu o primeiro disco Too Fast for Love. A glória veio mesmo em 83, com Shout at The Devil, onde os meninos do Mötley queriam demonstrar que eram bad boys do hard rock. A capa trazia um pentagrama, e nessa época, as maquiagens eram mais pesadas, como se fossem de rituais satânicos. É no terceiro disco, um com capa totalmente cor-de rosa, e roupas com pontinhos de brilhantes e lenços, que o som ficou mais farofa. Mas, é Girls, Girls, Girls – música do álbum seguinte, que virou hit. Tommy Lee gravou mais um álbum e deixou a banda que perdeu o charme. Nos anos 90, o Mötley reciclou o som, a atitude e o visual, aderindo a cabelos curtos e roupas de couro. Mesmo com a morte de Randy Castillo (ex- Ozzy Osbourne) e a volta de Tommy Lee ao posto de baterista, a banda é praticamente inexistente em 2003. Mick Mars sofre de artrite, Vince Neil está em carreira solo e Nikki Sixx acabou de lançar seu mais novo projeto solo, Brides of Destruction.

TWISTED SISTER
Apesar de ter sido formado nos anos 70, ficou famoso com o surgimento da MTV. O Twisted é reponsável pela definição do termo glam-rock (glitter rock). Seu visual era de drag queen bizarras e roupas andróginas. As músicas possuiam identidade e refrões grudentos, criando alguns hinos como I Wanna Rock e We’re Not Gonna Take it. A banda acabou em 87, e Dee Snider – líder e vocalista do TS – seguiu em carreira solo, sendo o único a aparecer na mídia. Alguns álbuns clássicos da banda estão sendo relançados e há a promessa de uma reunião para esse ano.

WHITESNAKE
É outra banda formada nos meados dos anos 70. Começou sendo um dos projetos solos de David Coverdale (ex-Deep Purple). Após o lançamento dos primeiros álbuns no começo dos anos 80, a banda ficou em inatividade até retornarem em 84 com novos integrantes. Em 85, já com o (falecido) baterista Cozy Powell, o Whitesnake lança o álbum Slide it In, que tornou-se um clássico. O grande sucesso veio em 87, com a música Still of the Night, cujo álbum apresentava um som muito mais comercial. Com as péssimas vendas do álbum sucessor, Slip of the Tongue, Coverdale decide abandonar o Whitesnake, que não conseguiu se manter pelas próprias pernas. Em 97, retomou a banda, que ficou na geladeira, não lançando nenhum material inédito. Nessa época, eles passaram pelo Brasil, num show com o Megadeth e o Qüeensryche. Nesse mês, estão em turnê pelos EUA comemorando os 25 anos de carreira.

WARRANT
Explodiu em 87 no circuito de Los Angeles- apesar de ter sido formado em 84. Eles possuiam um visual bem menos chocante que as outras bandas e não usavam maquiagem. Seguiam a linha denim & leather, que serviu para referência de outras bandas que viriam na sequência. A primeira gravação oficial apareceu no filme A Jornada de Bill & Ted. O grande sucesso veio no começo de 1990 com o hit Cherry Pie, número 1 nas paradas da MTV EUA. Nessa época vários integrantes aproveitaram para casar-se com modelos. (Jani Lane casou-se com Bobby Brown). O Warrant gravou mais alguns álbuns e saiu do circuito midiático em 97. Retornaram em 2001 com um disco novo, um tributo aos representantes da old school do rock’n’roll, Under the Influence. Este ano, estão em turnê conjunta com o Whitesnake, Winger e Slaughter.

Gostou? Veja também:
Comente no Facebook
Comente